Cada arma vinha com uma etiqueta informando para que foi usada.
Foram instaladas câmeras para capturar reação dos compradores.

NG Estados Unidos para Prevenir a Violência Armada e a agência de publicidade Grey New York fizeram um anúncio usando uma espécie de set de experimento social. Eles abriram uma loja de armas em Manhattan, em Nova York, e convidaram pessoas que iriam comprar armas de fogo pela primeira vez para experimentar os produtos. No local, foram instaladas câmeras escondidas para capturar as reações dos consumidores.

Os criadores da campanha colocaram etiquetas em cada arma, informando em que situação cada uma tinha sido usada, por quem tinha sido disparada e quantas pessoas tinham sido mortas ou feridas. O vendedor chega a descrever as situações para os consumidores, que mudam completamente de feição ao ouvi-las. São descritos fuzilamentos em massa, tiroteios não intencionais, homicídios e suicídios.

Entre as situações, o vendedor cita um revólver usado por um menino de 5 anos para atirar em seu irmão de 9 meses, e uma 9 milímetros semi-automática usada por um garoto de 2 anos para matar sua mãe em um supermercado.

Nem é preciso dizer que os novos compradores acabaram desistindo de comprar a arma.

“Nosso objetivo é educar quem quer comprar uma arma de fogo, garantir que eles estão cientes dos riscos potenciais e promover a posse de armas responsável”, diz Julia Wyman, diretora-executiva da ONG.

A campanha, segundo a ONG, é mudar a percepção de seis em cada 10 norte-americanos que possuir uma arma de fogo faz uma casa mais segura. “Muitas vezes, os compradores acreditam erroneamente que armas irão mantê-los seguros, quando na verdade uma arma em casa aumenta muito o risco de homicídio e suicídio”, diz Julia.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/midia-e-marketing/noticia/2015/03/campanha-usa-loja-nos-eua-para-desincentivar-compras-de-armas.html